O que faz um Analista Ambiental?

analista-ambiental

 

Um analista ambiental é o profissional responsável basicamente por diminuir os impactos ambientais decorrentes do crescimento urbano e, principalmente, do industrial.

 

São profissionais requisitados em concursos do Ibama, do Serviço Florestal Brasileiro e até mesmo nas esferas Estaduais e Municipais. Geralmente a formação exigida é de nível superior, mas alguns concursos exigem a formação em Biologia, Biomedicina e até mesmo Química.

 

Nas esferas municipais existe o cargo de Técnico Ambiental, que estabelece formação de nível médio e sua função é de auxiliar os analistas ambientais. Ainda nesta esfera, os salários variam de R$ 1.200 a R$ 2.000. Para os concursos do Ibama ou Serviço Florestal de nível superior o salário pode ultrapassar R$ 6.000.

 

É dever do analista ambiental manter o controle dos ecossistemas, sendo fundamental a análise de vários locais, através de amostras de solo e água. O conhecimento da Legislação Ambiental é uma das principais habilidades que este profissional deve desenvolver.

 

Além das leis ambientais, que variam de acordo com o órgão, o candidato deve estudar também as disciplinas de Português, Noções de Direito Constitucional e Administrativo, História e Geografia. Além disso, muitos editais exigem conhecimentos ambientais relacionados economia e meio ambiente.

 

Além de qualquer apostila ou aula, é preciso amar e conhecer a natureza, pois este cargo é um dos que mais envolvem situações onde o profissional deverá ter mais do que conhecimentos, mas possuir também iniciativa e proatividade a favor de um bem comum.

 

 

Efeito Dominó

Por Leonardo Moreira Pereira

 

foto_leonardo_pereira

 

LEONARDO PEREIRA é Advogado graduado pela PUC de Minas Gerais. Possui pós-graduação em Direito Público e em Direito Privado, ambas pelo Instituto Metodista Isabela Hendrix. Mestre em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos. Ex-Diretor de Ensino do Praetorium, Instituto de Pesquisa, Ensino e Atividade de Extensão em Direito. Atualmente é Diretor Acadêmico do IOB Concursos Marcato.

 

 

Como bom pessimista, previa o aumento da criminalidade simples logo que a polícia aumentou o cerco contra os traficantes de drogas, principalmente nas favelas do Rio de Janeiro. Mas pouco foi noticiado nesse sentido. Abrindo agora o jornal da manhã, parece-me clara a intenção de parte do jornalismo em associar o aumento da violência à crise financeira pela qual o país começa a passar.

 

Roubo e furto eram crimes mais comuns na década de 80 / 90 (piada né… só quero dizer que eles roubavam as cenas nos noticiários nessas décadas, tendo sido substituídos em interesse pelas guerras de favelas, tráfico de drogas, assassinatos, salvo nos noticiários sensacionalistas, onde claro, estavam sempre presentes), sendo a manifestação mais famosa desses tipos penais, especialmente o furto, com os arrastões nas praias cariocas.

 

Roubo à banco, sempre existiu. Quero chamar atenção para o avanço da criminalidade baseada nesses dois artigos do Código Penal:

 

“Art. 155 – Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel: [...]”

“Art. 157 – Subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência a pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio, reduzido à impossibilidade de resistência: [...]”

 

Furto e Roubo, respectivamente aqui transcritos diferem no uso da violência para a prática da subtração de bem ou patrimônio que pertencem a outra pessoa.

violencia-e-roubo-codigo-penal

Lamentavelmente o país que só sentiu a marola da crise econômica mundial de 2008, padece com uma crise política que está refletindo diretamente na economia interna, com aumento da taxa real de desemprego (parece que não computam nas análises oficiais as pessoas que recebem bolsa família e seguro desemprego), inflação não admitida pelas taxas divulgadas e fuga de investimentos internacionais.

 

E isso reflete diretamente na base da população, que sem emprego e opção, algumas vezes acaba por delinquir. Só quem é pai entende por exemplo, a pressão que sofre um pai de família que não consegue colocar comida em casa. Uma triste realidade que nem sempre é analisada, nem mesmo pelas classes C e D, onde de algum modo solução é dada.

 

De volta ao tipo penal, o furto acontece nas situações mais simples, sendo os casos dos trombadinhas, dos pequenos furtos a supermercados sem o uso da violência, das bolsas que são levadas, dos cordões arrancados. Só dano material, patrimonial. Já o roubo aplaca mais, faz a vítima se sentir mais acuada, gera violência efetiva e em alguns casos pode culminar até com a morte da vítima.

 

Fato é que com o avanço formal desse tipo de violência, tenhamos que nos adaptar a uma nova realidade, menos tranquila e mais atenta, com celulares guardados, casas trancadas, vidros fechados. Triste.

 

 

 

Por que ser um Procurador do Estado?

procurador-do-estado

 

O Procurador do Estado atua em conjunto com o governo de cada federação, sendo que sua existência está prevista no artigo 132 da Constituição Federal e suas funções na Constituição de cada estado.

 

Vejamos:

 

Art. 132. Os Procuradores dos Estados e do Distrito Federal, organizados em carreira, na qual o ingresso dependerá de concurso público de provas e títulos, com a participação da Ordem dos Advogados do Brasil em todas as suas fases, exercerão a representação judicial e a consultoria jurídica das respectivas unidades federadas. Parágrafo único. Aos procuradores referidos neste artigo é assegurada estabilidade após três anos de efetivo exercício, mediante avaliação de desempenho perante os órgãos próprios, após relatório circunstanciado das corregedorias.”

 

Em geral é exigida formação de nível superior em direito, sendo que em alguns estados é exigida inscrição na OAB. Os salários passam dos R$ 15 mil e podem chegar a R$ 19 mil.

 

Entre as funções desempenhadas pelos procuradores está também a fiscalização e consultoria das ações do Estado. Existem ainda vários níveis de procurador, que são diferenciados de acordo com a legislação de cada um. Esta função possui muitas especificidades diferentes devido as determinações variarem de Estado para Estado.

 

A carreira exige muita dedicação, já que o nível de concorrência é elevado por não ocorrerem muitos concursos periodicamente, além disso os salários são elevados.

 

 

O último concurso para o Estado de São Paulo

 

O último concurso no estado de São Paulo ocorreu em setembro de 2012 e teve validade de 2 anos, por isso é bastante aguardado pelos concurseiros de nível superior jurídico.

 

Uma boa opção para iniciar o estudo para o certame é nosso Extensivo Jurídico, pois o aluno poderá se preparar não somente para este concurso, mas outros e ao mesmo tempo com o auxílio de um dos nossos orientadores.

 

 

 

9 Métodos de Estudo que funcionam de verdade

9 dicas de estudo que funcionam

Estudar de forma eficaz não é uma questão de oportunidade. Professores e psicólogos têm pesquisado métodos de estudo há anos. Alguns dos melhores métodos vêm das melhores universidades como Stanford, Indiana e Chicago, onde experimentos precisos com grupos de estudantes deram início aos sistemas mais eficazes, que fazem com que eles aprendam com mais facilidade e poupem valiosas horas.

Conheça 9 métodos de estudo descobertos por pesquisadores e que funcionam de verdade:

 1. Fazer e seguir um plano de estudos

Separe algumas horas de cada dia para os estudos, assim como você faz para se alimentar e dormir. Mantenha o cronograma fielmente. A quantidade de tempo necessário para o estudo irá variar de pessoa para pessoa, dependendo das habilidades de cada um sobre o tema. Recomenda-se uma média de 2 horas de estudo por dia, para cada 1 hora de aula. E isso é apenas o começo. O verdadeiro trabalho vem depois!

2. Estudar em um ambiente apropriado – Same Time, Same Place, Every Day (Mesmo horário, mesmo lugar, todos os dias).

Se a concentração é o seu problema, então o ambiente certo irá ajudá-lo muito. Sua mesa de estudo deve estar em um lugar calmo – livre de tantas distrações possíveis. Você se concentra melhor quando estuda no mesmo lugar todos os dias. Por exemplo, quando você se senta na mesa da cozinha, você espera comer. Quando você se senta em uma poltrona, assiste à TV, etc. Desenvolver o hábito de estudar no mesmo lugar e no mesmo horário todos os dias, vai melhorar sua concentração.

3. Equipar sua área de estudo com tudo que você precisa

Sua mesa de estudo deve ser equipada com todos os materiais que você pode precisar para completar a tarefa, por exemplo: lápis, canetas, borrachas, clipes, grampos, dicionário, lanches, bebidas, etc. Levar seu lanche e bebidas para o local de estudo vai ajudar a acabar com as idas intermináveis ​​à cozinha que quebram a sua concentração. Para algumas tarefas você pode exigir uma calculadora ou outros suprimentos. Com o material à mão, você irá estudar sem interrupção.

Importante! Se você tem costume de mexer no celular com frequência, deixe-o de lado. Você pode retornar as chamadas e mensagens depois de ter terminado os estudos.

4. Não depender de inspiração para motivar-se

Você consegue imaginar um atleta em treinamento à espera de inspiração para preparar-se para um evento ou entrar em ação? Claro que não. Eles treinam diariamente para manter-se competitivo, querendo ou não. Como um atleta, você deve estar em constante treinamento para testes e exames, seguindo seu plano de estudos e fazendo simulados diariamente, para estar pronto para o grande dia.

5. Manter as anotações bem guardadas

Pesquisadores afirmam que há definitivamente, uma relação entre organização e notas altas. Saber onde encontrar seus materiais quando você precisa deles é crucial. Manter uma seção especial para cada assunto em seu caderno, bem como, um calendário para que você possa anotar todas as matérias importantes já estudadas e como elas estão nomeadas. Ter todas essas informações em um só lugar é vital para o seu sucesso. Um caderno de anotações bem dividido e organizado é sinônimo de uma boa gestão do tempo. Se você alguma vez perdeu uma anotação importante de uma aula, já sabe quanto tempo valioso pode ser perdido procurando por ela.

6. Fazer uso de “Flash Cards”

Cartões de memória flash não são apenas para as crianças! Eles são uma ferramenta de estudo legítima. Use a parte dianteira do cartão para escrever um termo importante, e a parte de trás, para escrever uma definição ou um fato importante sobre esse termo. Leve seus cartões com você. Use-os durante o “tempo morto”, como quando está esperando em um consultório médico ou no escritório do dentista, andando de ônibus, ou no bando do passageiro do carro. Você ficará surpreso com o quanto você pode realizar durante esse período.

7. Fazer de boas anotações um seguro contra o esquecimento

Aprenda a fazer anotações eficientes quando seus professores enfatizarem pontos importantes nas aulas. Boas notas são um bônus para uma revisão.  Sem anotações, você vai precisar para reler e rever toda a matéria antes de um teste. Isso pode exigir que você um enorme volume de informação para relembrar de uma aula. Com essas anotações, você pode recordar os principais pontos em apenas uma fração do tempo. O tempo que você gasta fazendo boas notas não é perdido, na verdade, é uma economia de tempo.

8. Reestudar o material melhora a memorização

Os psicólogos nos dizem que o segredo para o aprendizado definitivo é o overlearning ou reestudo. Os especialistas sugerem que após conseguir afirmar: “Eu sei esse tema”, que você deve continuar a estudar, esse mesmo material, por mais um quarto de tempo do estudo original. O alfabeto é um exemplo de overlearning. Como você aprendeu isso? Provavelmente através recitação que é a melhor maneira de gravar material no traço de memória. Manipule o material tantas maneiras diferentes quanto possível: escrever, ler, tocar, ouvir e dizê-lo. Em um estudo experimental, os alunos que reproduzem o material de diferentes formas, retêm as informações 4 quatro vezes mais depois de um mês, do que os alunos que não utilizaram essa técnica.

9. Revisões frequentes

Um estudante que não revê o material pode esquecer 80% do que foi aprendido em apenas 2 semanas! A primeira revisão deve vir logo após que o material foi apresentado e estudado pela primeira vez. Revendo cedo funciona como uma salvaguarda contra o esquecimento e ajuda você a se lembrar por muito mais tempo. Avaliações frequentes durante todo o curso trará recompensas na hora da prova e irá aliviar a ansiedade pré-teste.

 

Embora estes 9 métodos de estudo realmente funcionem, há um outro componente necessário quando se utiliza todos eles – assumir a responsabilidade de estudar, seguindo seu plano de estudos. Todos os métodos de estudo no mundo não vão ajudá-lo se você não se ajudar. Tal como acontece com tudo na vida, seu lema deve ser: “Eu sou responsável pelo meu sucesso!”

Com informações de Chandron State College

O que faz um delegado?

o-que-faz-o-delegado

Quais são as funções de um delegado?

Os delegados atuam em delegacias, participando e encabeçando investigações e inquéritos. Um dos grandes atrativos da profissão de delegado é o salário que, atualmente, varia entre R$ 10.000,00 até R$ 15.500,00, além de outros benefícios.

 

Mas não pense que é tão simples assim ocupar o cargo, pois é preciso muita dedicação para ser aprovado por meio de concursos públicos. Tanto na Polícia Federal, quanto na Polícia Civil, é necessário ser bacharel em direito, porém não é necessário ter experiência profissional, nem ter passado no Exame da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

 

As funções vão ser distintas de acordo com a corporação na qual servem: na Polícia Civil, esse profissional se ocupará com questões de âmbito estadual, já na Polícia Federal, se responsabilizará pelos crimes cometidos contra a União, como aposentadorias fraudulentas e lavagem de dinheiro (em casos especiais, como assalto a um órgão federal, as duas podem vir a trabalhar juntas).

 

Apesar da diferença, a função de ambas é, praticamente, a mesma: investigar e reprimir o crime. Seu objetivo é descobrir a autoria e como que o crime foi realizado, para isso, preside o inquérito policial, toma depoimentos e, depois de todo o esclarecimento, faz um relatório para o juiz, que autoriza e encaminha para o Ministério Público (órgão encarregado de fazer ou não a denúncia).

 

Além das atribuições investigativas, os delegados também são responsáveis por funções administrativas, coo chefiar a expedição de documentos como carteira de identidade (Polícia Civil) ou passaporte (Polícia Federal).

 

Na Polícia Civil, as atividades são divididas entre o delegado-chefe, o delegado-assistente (realiza funções administrativas), o delegado-cartorário (encaminha os inquéritos, cuida da tramitação dos processos etc.) e o delegado plantonista (comanda a delegacia durante os plantões, que geralmente são de 24 horas de serviço seguidas de 72 horas de folga).

 

Quais são as características para ser um delegado?

O delegado é um profissional que precisa saber agir com muito bom senso, coragem e idealismo por justiça, além de ter um vasto conhecimento técnico, ser intuitivo é um dom que é bem-vinda para a profissão.

 

As características pessoais que são atrativas são: autoconfiança, autocontrole, boa memória, capacidade de análise, comunicação, convencimento, saber lidar com situação adversas, agir sob pressão, equilíbrio emocional, espírito de investigação, gosto pelo debate, iniciativa, interesse por temas da atualidade, resistência física, senso crítico, ético e de responsabilidade.

 

Quero ser um delegado, como faz?

Como dissemos no início deste texto, é necessário ser aprovado em um concurso público. O concurso é dividido em duas etapas: a primeira consiste em prova escrita, teste de aptidão física e investigação social. Aprovado nessa fase, o futuro delegado precisa, então, fazer o curso na Academia de Polícia Civil (APC) ou na Academia Nacional de Polícia (ANP), no caso da Federal.

 

Ambos são classificatórios e eliminatórios e os programas são praticamente os mesmos: aulas de armamento e tiro, defesa pessoal, direitos humanos, psicologia, técnicas de investigação, direito penal, direito processual penal etc. A diferença é que, na APC, o programa tem duração de seis meses e os candidatos não recebem nenhuma ajuda de custo e, na ANP, o curso dura quatro meses e o aluno recebe cerca de 50% do valor do salário dos delegados da ativa.

 

Quer se preparar para a prova? Confira nossos principais cursos online para delegado clicando aqui. O conteúdo é lecionado pelos melhores profissionais do mercado, por meio de aulas dinâmicas e aprofundadas. O aluno conta com a melhor infraestrutura de aprendizagem do país, são simulados de provas, questões aula a aula, além do suporte de um Orientador de Aprendizagem durante todo o curso.

 

 

Queime a largada e comece a estudar!

queimar-a-largada-blog

Por Leonardo Moreira Pereira

 

Em uma corrida considera-se queimada a largada quando um dos competidores sai antes do tempo estipulado. A regra existe para que tal ocorrência não gere vantagem indevida em relação aos demais desportistas.

 

Mas no concurso público não existe essa limitação. Logo, se a notícia do concurso é iminente, não espere a publicação do edital para começar a estudar….queime logo a largada e melhore suas chances de aprovação, estudando mais por mais tempo.

 

 

foto_leonardo_pereira

 

LEONARDO PEREIRA é Advogado graduado pela PUC de Minas Gerais. Possui pós-graduação em Direito Público e em Direito Privado, ambas pelo Instituto Metodista Isabela Hendrix. Mestre em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos. Ex-Diretor de Ensino do Praetorium, Instituto de Pesquisa, Ensino e Atividade de Extensão em Direito. Atualmente é Diretor Acadêmico do IOB Concursos Marcato.

Concursos de Tribunais: Por que prestar?

concursos-tribunais-blog

A Justiça brasileira é dividida em cinco esferas – estadual, federal, eleitoral, militar e do trabalho. Com isso, há pelo menos 6 concursos públicos para tribunais por ano. Com tantas oportunidades, esses certames são bastante cobiçados e concorridos.

 

Cada estado possui um Tribunal de Justiça e um Tribunal Regional Eleitoral. Existem ainda 24 Tribunais Regionais do Trabalho e 5 Tribunais Regionais Federais. Confira as vantagens de prestar um Concurso para Tribunal:

 

Vantagens

  • Boa estrutura e ambiente de trabalho;
  • Estabilidade;
  • Remuneração acima do mercado de trabalho.

Média de Salários

  • Juízes – 20 mil reais,
  • Analistas – 8 mil reais.
  • Escreventes, técnicos e oficiais de Justiça -  entre 4 mil reais e 6 mil reais

 

Confira valiosas dicas para garantir a sua vaga em um dos Tribunais brasileiros:

 

O que estudar?

Pegue firme nas Disciplinas como Português, Direito Constitucional, Administrativo, Civil, Processo Civil e Português, pois são comuns a todos os Concursos de Tribunais. O que vai diferenciar, por exemplo, é que para TRTs, o candidato terá que estudar, ainda, Direito do Trabalho e Processo do Trabalho. Os TRFs e TREs também terão outras matérias afins.

 

O que cai também é o regimento interno dos tribunais, e alguns tribunais exigem ainda, raciocínio lógico matemático e informática. Fique atento ao edital!

Essa similaridade é positiva, porque fica mais fácil se preparar para vários concursos ao mesmo tempo.

 

Como começar?

1-    Consulte o edital de cada concurso desejado.

2-    Faça um quadro e destaque as disciplinas comuns de todos os editais

3-    Investigue o perfil da banca organizadora

4-    Faça um roteiro de estudos que reúna teoria mais exercícios. Uma boa dica é investir num curso online.

5-    Resolva o máximo de questões de provas anteriores

6-    Fique atento às alterações legislativas e à jurisprudência dos tribunais superiores.

7-    Atenção aos Tribunais que cobram conhecimento específico, como por exemplo, na Justiça estadual e federal, em que deve-se valorizar a normativa estadual e federal de organização judiciária.

 

Conheça os Concursos Abertos

Tribunal de Justiça de SP – TJ/SP

Cargo: Escrevente Técnico Judiciário

Inscrições: até 06 de março de 2015

Taxa: R$ 50,00

Remuneração: R$ 3.878,07

Vagas: 345

Fases: provas objetivas e prova prática de formatação e digitação.

Requisitos: nível médio reconhecido pelo MEC

Prova prevista para: 26 de abril de 2015

Edital

Conheça o curso!

 

Tribunal Regional do Trabalho – TRT 8a Região PA/AP

Cargo: Juiz do Trabalho Substituto

Inscrições: até 30 de março de 2015

Taxa: R$ 200,00

Remuneração: R$ 27.500,17

Vagas: 01

Fases: Provas Objetiva Seletiva, Escrita Discursiva e de Sentença, Sindicância da Vida Pregressa e

Investigação Social e Oral; Exames de Sanidade Física e Mental, de Aptidão Psicológica; e Avaliação de Títulos.

Requisitos: bacharel em Direito, 03 anos de atividade jurídica

Prova prevista para: 24/05/2015

Edital

Conheça o curso!

 

Tribunal de Justiça da Bahia – TJ/BA

Cargo: Juiz Leigo

Inscrições: até 02 de março de 2015

Taxa: R$ 19,00

Remuneração: R$ 8.558,52

Vagas: 500

Fases: provas objetivas e títulos

Requisitos: bacharel em Direito com inscrição na OAB

Prova prevista para: 29 de março de 2015

Edital

Conheça o curso!

 

Tribunal de Justiça da Bahia – TJ/BA

Cargo: Conciliador

Inscrições: até 02 de março de 2015

Taxa: R$ 11,14

Remuneração: R$ 3.091,26

Vagas: 759

Fases: provas objetivas e títulos

Requisitos: bacharelado em Direito, Administração, Psicologia e Serviço Social, ou estar matriculado regularmente em um destes cursos, a partir do 4o ano ou do 7o semestre letivo.

Prova prevista para: 29 de março de 2015

Edital

Conheça o curso!

 

 

Direito Administrativo na prova do TJ SP

tj-sp-logo

Por Leonardo Moreira Pereira

 

Um dos pontos chave para quem vai fazer o excelente concurso do TJ SP para o interior do estado, é entender como a banca examinadora vê os pontos que são demandados para o concurso.

 

Isso quer dizer que alcançar o propósito do que é pedido pelo conteúdo programático pode contribuir na escolha do que estudar e na interpretação das questões na hora da prova. Mas a escolha do que estudar não seria simplesmente pegar os pontos do edital? Perguntariam os incautos.

 

Nem sempre, pois em algumas situações, ler a lei pode ser mais útil do que estudar a doutrina. E consequentemente, isso pode ser mais relevante na hora de responder as questões que são cobradas.

 

Pensando nisso e olhando para o edital do TJ SP, especificamente na parte de Direito Administrativo, precisamos imaginar o recém aprovado em atuação no TJ, ou seja, do que foi cobrado na prova, o que ele aplicará em sua vida profissional?

direito-adm-tj-sp

Bom, dos pontos sugeridos pela banca examinadora, o que mais tem ligação com o mundo prático e que consequentemente deve ser o mais cobrado é a parte relacionada aos Servidores Públicos. Dar uma passada de olhos na lei 8112/90 é importante mas, decorar a 10.261/68 é essencial.

 

Digo isso porque a chance de um desses pontos serem cobrados é enorme, até pela facilidade que o examinador encontrará na elaboração da questão. Por exemplo, pensem no art. 241 da Lei 10.261… São 13 incisos com os poderes dos servidores civis e a chance do examinador alterar um deles ou inserir um falso entre eles, é grande.

 

Outro ponto muito relevante nesse mesmo conteúdo é a questão das Penalidades. O cenário político nacional enseja a moralização dos servidores públicos, dando azo à discussões sobre condutas que seriam ou não puníveis e suas penas. Vejam o artigo da lei:

Artigo 251 – São penas disciplinares:
I - repreensão;
II - suspensão;
III - multa;
IV - demissão;
V - demissão a bem do serviço público; e
VI - cassação de aposentadoria ou disponibilidade

 

Questão clássica que pode ser resgatada nessa situação é apresentação de um caso hipotético com o pedido de identificação da penalidade a ser aplicada.

 

E nessa linha de interpretação do edital é que o candidato deve se orientar, para otimizar seus estudos e ser aprovado nesse ótimo concurso. Bons estudos!

 

 

foto_leonardo_pereira

 

LEONARDO PEREIRA é Advogado graduado pela PUC de Minas Gerais. Possui pós-graduação em Direito Público e em Direito Privado, ambas pelo Instituto Metodista Isabela Hendrix. Mestre em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos. Ex-Diretor de Ensino do Praetorium, Instituto de Pesquisa, Ensino e Atividade de Extensão em Direito. Atualmente é Diretor Acadêmico do IOB Concursos Marcato.

 

 

O que faz um desembargador?

o-que-faz-desembargador

O desembargador é um tipo de juiz de segunda instância, pois ele faz parte do processo que corre novamente se uma das partes não fica satisfeita com o julgamento em primeira instância.

Em geral a decisão tomada pelo desembargador pode estar sujeita a recurso do STF ou do STJ. As decisões tomadas por eles são chamadas de acórdão. E nunca atua sozinho em suas decisões, pois é de costume que tenha ajuda de ao menos 3 agentes da justiça e mais alguns auxiliares.

Para ter acesso ao cargo de desembargador não existe concurso, o candidato é nomeado, mas para isso é preciso que já possua um cargo jurídico no Ministério Público. Podem atuar em três esferas diferentes: Na Estadual, Federal ou Federal do Trabalho.

Sua aposentadoria é compulsória, ou seja, aposentam com 70 anos de idade, independentemente do tempo de serviço prestado. Os salários podem chegar a mais de R$ 20 mil reais, dependendo do lugar onde atuam.

A função é de grande importância para o sistema judiciário brasileiro, pois o desembargador ajuda nos problemas de ordem pública e apesar de possuir uma boa remuneração, suas responsabilidades são muito grandes. Um dos meios de se tornar um desembargador é prestar concurso para o cargo de Juiz, que exige formação de nível superior em direito e inscrição na OAB, além disso é preciso ter experiência de três anos em atividade jurídica.

Participar da ordem e progresso do país pode ser um privilégio que só se consegue com estudo e muito esforço. Bons estudos!

 

 

Estudar ouvindo música é bom ou ruim?

estudar-ouvindo-musica

 

Estudar em ambientes com muitas pessoas ou muito barulhento pode ser um dilema para quem quer se concentrar, mas será que colocar os fones de ouvido com música é a melhor opção?

 

Não tem jeito, para se desligar de conversas paralelas você precisa saber escolher seu repertório de músicas para colocar os fones e se concentrar, por isso abaixo seguem algumas dicas de como se concentrar melhor desta forma.

 

Com letra ou sem letra?

Os especialistas sempre recomendam músicas sem letras para que sua concentração não se disperse. Ainda mais quando você conhece a letra, o fato de cantar junto pode tirar a atenção além de afrontar com o que está fazendo, no caso de uma leitura por exemplo, você pode não conseguir absorver muita coisa.

 

Tranquila ou agitada?

As duas opções serão válidas, mas depende do que você está fazendo. No caso de precisar ler ou memorizar algo dê preferência para músicas mais calmas, mas se a intenção for de criar algo ou escrever projetos, a escolha poderá ser mais agitada, o que estimulará, mas ainda prefira melodias sem letras.

 

O volume é muito importante

Se atente sempre ao volume das músicas que estiver ouvindo, principalmente se estiver utilizando fones. O limite recomendado pelos especialistas é até 80 decibéis, 85 decibéis por exemplo, podem ser suportados por até 8 horas e a cada 5 decibéis acrescentados o número de horas cai pela metade. Nos fones de ouvido é quase impossível saber quando se chega a este limite, por isso não passe da metade do volume.