Na semana passada, começamos a revisar o tema da análise sintática, certo? Falamos dos elementos essenciais das orações, e começamos a estudar a classificação dos sujeitos. Ficaram faltando duas coisas para terminar esse ponto:

1. orações sem sujeito (que vamos analisar hoje)

2. partícula “se” (que vamos analisar semana que vem, porque ninguém merece ver tudo de uma vez só).

A oração sem sujeito, ou oração com sujeito inexistente, é aquela em que, como o próprio nome diz, não tem sujeito. Simples assim. Ela é formada apenas pelo predicado, que se articula a partir de um verbo impessoal.  É bem fácil! Vamos ver os casos:

a) verbos que indicam fenômenos da natureza, como, por exemplo: nevar, chover, ventar, gear, trovejar, relampejar, amanhecer, anoitecer, etc.

Ex.: Quando eu estive em Paris, não fez frio.

b) Verbo haver, no sentido de existir. Aliás, cabe aqui lembrar que toda vez que o verbo haver for usado neste sentido, ele permanece no singular, mesmo que os termos que o precedem estejam no plural. Isto porque o verbo não tem sujeito (e, por isso, é chamado de verbo impessoal). Este é um erro bastante comum, portanto vamos ver diversos exemplos:

Ex.: Havia muitos livros naquela biblioteca e ela queria ler todos eles.

Houve poucas desistências no concurso para a promotoria.

Há muitas pessoas interessadas neste pacote de viagens.

Havia muitas crianças no parque naquela tarde

Haverá muitos carros, mas há poucas vagas: melhor chegar cedo para encontrar um bom lugar para estacionar.

Pode ter havido diversos tipos de seres vivos antes do homem na Terra.

c) Verbos indicando tempo e distância (como haver, fazer, passar, ser). Pra esses, também servem as mesmas observações acima: eles sempre ficarão no singular quando estiverem neste sentido. Veja:

Nos conhecemos há muito tempo. Já faz 12 anos que somos amigos.

Passa das quatro da tarde.

Era um dia tranquilo.

Para finalizar, algumas observações importantes:

1) ao indicar tempo, o verbo ser varia de acordo com a expressão numérica que o acompanha. (É uma hora/ São nove horas)

2) ao indicar data, o verbo ser poderá ficar no singular, subentendendo-se a palavra dia, ou então irá para o plural, concordando com o número de dias (Hoje é 10 de julho/Hoje são 10 de julho). E sim… eu sei que esta segunda forma é bem estranha. Mas, apenas para conhecimento, ela está correta!

Semana que vem tem mais!

😉

Luciana Pimenta. Mãe em tempo integral. Coordenadora Pedagógica no IOB Concursos em horário comercial. Advogada quando necessário. Autora, revisora e diagramadora quando sobra tempo. E ainda caminhando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *