Dias atrás fui abordada por uma pessoa que me levantou a seguinte questão: como você consegue trabalhar o dia inteiro, trabalhar mais à noite, e ainda assim cuidar da sua filha sozinha? Essa pergunta, na verdade, já me foi colocada de várias formas e em vários contextos. E a resposta é sempre uma só: escolhas.

Mas antes de falar das escolhas, algumas dicas de organização não apenas de estudo, mas de vida mesmo.

A primeira coisa a ser levada em consideração: cada dia tem apenas 24horas, e dessas 24, você vai precisar de pelo menos 6 para descansar. Então, trabalhamos, a princípio, com o dia de 18 horas. Sim, parece óbvio e até mesmo falar sobre isso. Mas a realidade é que muitas vezes queremos “enfiar” dentro do dia muito mais tarefas do que ele comporta.

E, de novo: não estou falando apenas de estudo. Observe a minha situação: suponha-se que eu tenha planejado para o dia as seguintes tarefas: levar minha filha para a escola, trabalhar 8h, buscar a pequena na escola, fazer com ela a tarefa de casa, preparar janta, trabalhar mais 4h em jobs freelancer, fazer as unhas, passar a roupa e ainda assistir 3 episódios da minha série favorita, eu definitivamente não vou conseguir. Não dentro das citadas 18 horas. Por mais que eu queira, por mais que eu me esforce, é impossível, em função da única coisa que o ser humano ainda não conseguiu burlar: o tempo.

Então, regule sua meta ao que você pode fazer. Isso vai impedir que você se frustre diariamente por não conseguir alcançar aquilo que planejou, sem se dar conta de que na verdade o seu plano era impossível.

Segunda coisa: a semana tem 7 dias. Sim. Também parece óbvio. Mas essa informação te dá uma certa elasticidade para adequar o que precisa ser feito num período de tempo maior do que aquelas 18 horas iniciais. Ainda no meu caso, algumas coisas não posso adiar, mas posso, por exemplo, assistir um episódio da minha série a cada dois dias, fazer as unhas hoje, passar a roupa amanhã, e trabalhar em “freelas” apenas 2h por dia. Talvez assim dê tudo certo ao final de 7 dias.

Ah, agora você vai falar que o mês tem 30 dias, né?

Não… Infelizmente, 30 dias é muito. Se você deixar de estudar hoje, e acumular esse tempo para daqui a 29 dias, é bem provável que no final do mês, seus planos estejam todos furados. Se eu deixar para passar a roupa só no final do mês, certamente antes disso já não terei mais nada decente para vestir. A agenda semanal é bem mais adequada.

No mais, tirada essa parte inicial, é preciso levar em consideração que tudo na vida é uma questão de escolhas. E que cada escolha tem a sua própria consequência.

Você pode optar, hoje, por dormir a tarde inteira, mas amanhã terá que colocar em dia o que atrasou hoje. Não há vitórias sem sacrifícios. Não há escolhas sem renúncias. Você realmente vai precisar abrir mão de algumas coisas para conseguir chegar no seu objetivo, independentemente de qual seja ele.

Que tal começar? E sugiro que comece anotando num papel qual é o seu objetivo, quanto tempo você tem para alcança-lo, e dividir tudo nas suas metas semanais. Cole esse plano no teto em cima da sua cama ou na parede do banheiro, de modo que você olhe para ele todos os dias. Assim, a cada escolha que você fizer, você vai lembrar qual é a consequência dela.

É fácil? Não. Se fosse, todo mundo já estaria exatamente onde sonha estar. Mas, se o sucesso fosse fácil, que graça teria?

😉

Luciana Pimenta. Mãe em tempo integral. Coordenadora Pedagógica no IOB Concursos em horário comercial. Advogada quando necessário. Autora, revisora e diagramadora quando sobra tempo. E ainda caminhando.

Força aí!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *