Em meio ao pânico gerado com a notícia de cortes no orçamento de 2016, preferi manter a serenidade a aguardar pelas definições que viriam do Ministério do Planejamento, considerando que sobre as notícias e cortes anunciados, ainda pairavam dúvidas sobre o que seria alcançado e como isso afetaria a motivação de milhares de alunos que compartilham, comigo e com o IOB Concursos, o sonho da aprovação.

Nos últimos dias foram inúmeras mensagens de apoio de nossos professores, muitos deles diretamente por meio de suas redes sociais, lembrando aos alunos que no já remoto ano de 2011 (parece ter mais de 10 anos), a então Ministra Miriam Belchior também anunciou pacote de reajustes fiscais que impactavam diretamente os concursos públicos. E isso no ano de fundação do IOB Concursos seria a notícia de tempos ruins.

Mas a realidade moldou-se à contrária temeridade e, somente no âmbito do Executivo Federal, foram mais de 24.000 vagas liberadas, situação que permitiu nosso progresso e, ainda no primeiro ano de funcionamento, compartilhar o gosto da conquista do cargo público com alguns de nossos alunos. Dupla vitória.

E agora mesmo, duas semanas após e acompanhando de perto o frenesi dos nossos alunos, sinto-me aliviado em propagar a notícia que veio da Assessoria de Imprensa da Secretaria de Gestão Pública (Segep) do Ministério do Planejamento (MPOG): os concursos públicos já autorizados pelo governo não serão alcançados pelos cortes anunciados, o que já representa um alívio enorme, por exemplo, aos milhares de candidatos que almejam uma vaga no tão esperado e autorizado concurso do INSS. A mesma sorte acompanha aqueles que se preparam para os concursos da FUNAI, ANS, ANP, IBGE, ANAC… E só para frisar, concursos como Banco do Brasil e Correios já não seriam impactados pela notícia, bem como os concursos Estaduais, Municipais, do Poder Judiciário.

Para 2016, sem dúvida alguma, os planos poderão ser revistos para a autorização de novos concursos, mas a exemplo do que ocorreu em 2011, algumas funções estatais são inadiáveis, a exemplo do controle fiscal e aduaneiro, realização das Olimpíadas e claro, o tão esperado fim das terceirizações considerando que a contratação há que ser feita mediante concursos públicos. Ou você acredita que declararão a vacância de algum cargo?

Enfim, estou aqui, cumprindo nosso compromisso de nunca deixar nossos alunos sós. E o faço com a serenidade que a notícia merece! Bons estudos!

 

Por Leonardo Pereira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *