Sabemos que exercícios físicos trazem inúmeros benefícios ao corpo. E nem precisamos ler diversos estudos para evidenciar este fato: basta começarmos uma rotina de exercícios e em pouco tempo sentiremos as melhoras.

É obvio que definição muscular, perda de peso ou até mesmo bem-estar não aparecem de um dia pro outro, mas isso não significa, contudo, que seu corpo não esteja se beneficiando muito rápido da atividade física. Em apenas uma sessão de exercícios, você diminui significativamente o stress (o stress é o seu corpo se preparando para o combate e o exercício físico acaba dando vazão a esse impulso); seu corpo produz endorfina, substancias químicas que melhoram a memória, o bom humor, a disposição física e mental; seu cérebro recebe um fluxo maior de sangue, impulsionando seus neurônios.

Isso tudo ocorre somente durante a prática do exercício.

Ao longo do tempo, e com disciplina e persistência, exercitar-se ainda traz mais uma série de benefícios: fortalece, não apenas os músculos, mas também o coração (porque ele vai precisar bombear mais sangue para o corpo todo), os pulmões (para que a quantidade de ar inspirada seja maior), os ossos (evitando problemas como osteoporose), melhora o funcionamento dos rins por conta do aumento na circulação, melhora a qualidade do sono e estabiliza a pressão arterial (porque estimula a vasodilatação e a resistência para a circulação do sangue).

Sabemos então que os benefícios são muitos. Então pra que serve este post?

E a pergunta faz sentido: tirando o fato de que o cérebro recebe uma quantidade maior de sangue durante a prática dos exercício, e isso impulsiona a atividade dos neurônio, como é que a prática de exercícios vai me ajudar se eu estou estudando pra concurso, e não querendo ser maratonista ou fisiculturista?

A boa notícia é justamente essa: exercícios físicos são a chave para as funções cerebrais. Pesquisas mostraram que o exercício físico tem um impacto mais perceptível em retardar o declínio cognitivo do que, por exemplo, o jogo de xadrez.

Além disso, atividades aeróbicas fortalecem as conexões neuronais e estimulam as células-tronco recém-nascidas a se dividir e se transformar em neurônios funcionais no hipocampo. Em outras palavras, um cérebro ativado pelos exercícios favorece a formação de novos neurônios.

Mas atente-se! Segundo o professor da Universidade de São Paulo à frente do Laboratório de Neurociência e Comportamento, Gilberto Fernando Xavier, o sistema nervoso leva cerca de 12 semanas para produzir alterações detectáveis de melhor desempenho, e isso apenas após uma prática de exercícios regulares (5 ou 7 dias na semana).

O que está esperando para começar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *